sábado, 4 de fevereiro de 2012

O arbítrio e a celulite.

Depois de comer com prazer, e ao mesmo tempo, com culpa (se é que isso é possível), bate uma tristeza na gente, não bate? Sabe aquele prazer que você sabe que não vai te levar a nada além daqueles 5 minutos, mas mesmo assim você vai lá e se entrega? A verdade é que isso é um perigo.
Li numa revista Caras uma vez (sim, no meio daquele bando de fotos há umas palavrinhas perdidas) uma declaração da musa de Luis Fernando Veríssimo, a ótima Luana Piovani, dizer que cinco minutos de doce na boca equivale a cinco anos de celulite na bunda. Por isso é bom evitar. Linda do jeito que é, deve saber do que está falando.
E porque eu estou falando tudo isso? Bom, na verdade acredito que tudo que a gente escolhe fazer tem uma conseqüência na nossa vida. Sejam os cinco anos de celulite, sejam as horas de ressaca no dia seguinte, tudo que não é dosado acaba sendo prejudicial, ainda mais quando por natureza não é bom. Minha intenção não é estimular ninguém a parar de beber ou comer doces, nem parar de sair beijando por aí e passando dos limites. Na verdade isso não me diz respeito. Mas ainda assim deixo minha opinião sobre o assunto. Alguém aí já assistiu o desenho Mogli – o menino lobo, dos estúdios Disney? E por acaso lembram da musiquinha do filme? Uma ajudinha pra lembrar.



É isso mesmo, minha gente. Vamos cantar juntos: “Eu uso o necessário, somente o necessário. O extraordinário é demais. Eu uso o necessário, somente o necessário. Por isso é que esta vida eu vivo em paz”. Olha que coisa boa! Evitar transtornos e dores de cabeça por saber dosar a vida e as coisas que ela oferece é uma escolha. Outro dia eu li num livro que depois da própria vida, a coisa mais valiosa que podemos receber de Deus nesta vida é o arbítrio. A capacidade e o direito de conduzir a nossa própria vida é uma dádiva. Nada melhor do que usar com sabedoria um direito tão bom, porque afinal de contas, a gente escolhe a ação, mas não a conseqüência.
Voltemos ao caso da celulite. Ela pode ser muitas coisas. O que você vai escolher fazer nos próximos cinco minutos? Essa escolha determina mais o que? Ela envolve a vida de outra pessoa? Filhos indesejados, doenças, ressacas, acidentes de trânsito, celulites, dívidas, liberdade. Tudo isso pode ser alterado por causa de uma escolha que for feita em um momento que agimos pensando só no prazer, por impulso. Imponha limites a sua vida. Faça somente o necessário. Quando for extrapolar, que seja para o bem.
Pra ficar de exemplo, encerro com a canção “Grand’Hotel”, do Kid Abelha. Porque se muitos não tivessem feito tanta coisa ou exagerado a dose, poderiam ter vivido um grande amor. 


2 comentários:

  1. Eu acabei de almoçar uma super macarronada e ainda uma torta holandesa de sobremesa e me deparo com um post desse!! OMG to sofrendo rs.
    Bjo
    Passa lá tbm...
    http://www.estigmaangel.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É complicado mesmo... torta holandesa, hummmm! Delícia! To passando lá!
      Bejo!

      Excluir